sexta-feira, 4 de maio de 2012


FALSO SEQUESTRO


Texto extraído do livro, VIOLÊNCIA URBANA: Como se proteger, autor Elson Matos da Costa, em fase de edição.


                        Tornou-se freqüente o chamado “Falso Seqüestro” nos dias atuais. O seu telefone celular ou fixo toca e uma voz chorosa do outro lado da linha diz: “Mãe fui seqüestrada, me salve, pelo amor de Deus”. Você entra em desespero e diz: “Maria minha filha, o que está acontecendo”? Eles precisavam do nome de sua filha e você o deu. A partir deste momento entra em cena o “seqüestrador” que lhe pede uma quantia em dinheiro e não deixa que você desligue o telefone. Você apavorada atende todos os pedidos e se esquece de ligar para o telefone celular de sua filha para ver se realmente está tudo bem ou se realmente o fato ocorreu de verdade.

                        O “seqüestrador” ordena que você vá até o banco e lá transfira certa quantia em dinheiro, normalmente pouca coisa que é possível sacar utilizando o que tem na conta bem como o limite da mesma. A conta que recebe o dinheiro foi aberta com documentos falsificados e será quase impossível o levantamento da identidade de seu correntista.

                        Nestes casos é preciso ter paciência ao receber uma ligação, normalmente à cobrar. Pense se realmente isto é verdade. Para onde sua filha (o) foi. Peça para outra pessoa ligar para ela (e) enquanto continua falando ao telefone com o “sequestrador”. Se a sua filha atender ao telefone em que outra pessoa da família ligou você verá que realmente é tudo uma enganação, mas é preciso ter sangue-frio para estas ocasiões. Os golpes dão certos porque as vítimas confiam demais na ação dos bandidos e acreditam piamente que a outra pessoa que falou com você inicialmente com a voz chorosa era realmente um ente querido.

                        Neste momento é preciso ter bastante calma já que se realmente for verdade pouca coisa poderá fazer neste momento. Enquanto está ao telefone peça alguém para avisar a polícia já que ela poderá auxiliá-la neste momento extremamente difícil. Se for verdade eles poderão prender o seqüestrador e se for mentira irá tranqüilizá-la e se possível identificar o autor do telefonema.

                        Não tome a iniciativa de pagar um “resgate” ao primeiro telefonema que receber já que não é assim que funciona um seqüestro. As negociações demoram dias até que se chegue a um valor combinado entre seqüestrador e família da vítima. Recentemente (2010) até o Vice-Presidente da República, José Alencar foi vítima de uma tentativa do golpe conhecido como “Falso Sequestro”.

                        Fique atento ao noticiário da mídia e perceba como outras pessoas acabaram caindo no golpe para que assim possa se defender e tome conhecimento de como eles agem. Ficará mais fácil se defender.

                        Como dito acima, os marginais utilizam um telefonema a cobrar, se não conhece de onde é o número não atenda e caso venha a atender somente depois de confirmar que está falando com policiais é que deverá passar algum tipo de informação como o nome do (a) filho (a). Mas lembre-se que a polícia não faz ligações a cobrar.

                        Todas as pessoas que moram em sua casa também devem aprender as regras de segurança, de empregados, passando pelos filhos menores até os idosos de que não devem em hipótese nenhuma repassar qualquer tipo de informação via telefone.

                        Recebendo uma ligação a cobrar de que um parente seu foi seqüestrado primeiro cheque a informação. Que tal ligar para o telefone celular da “vítima” e verificar se está tudo bem. No entanto devido ao nervosismo que acomete a pessoa que recebeu a ligação ela acaba se esquecendo de um detalhe primordial que é a de verificar com quem estaria a possível vítima, se realmente este fato veio a ocorrer ou não. A pretensa vítima atendendo a ligação da família esta pode ficar tranqüila já que nenhuma delas em um caso real ficaria com seu telefone celular e muito menos atenderia o seu chamado. Não se esqueça disso.

                        O marginal que liga a cobrar dizendo que um familiar seu foi seqüestrado não irá deixar que você desligue o telefone e assim cheque esta informação. Peça então, caso tenha medo de desligar o telefone na cara do bandido, que alguém da família faça a ligação de outro telefone. Provavelmente irá verificar que se trata de um golpe.

                        Aquele que pratica um crime de extorsão mediante seqüestro, neste caso de verdade, ele fica o menor tempo possível no telefone já que sabe da possibilidade do rastreamento pela polícia. No falso seqüestro ele fica minutos intermináveis e ainda colocam a “vítima” para falar no telefone chorando e pedindo socorro a mãe o que na realidade isto nunca irá ocorrer já que o seqüestrador estaria num local distante do cativeiro e a vítima em outro.

                        Pense antes de tomar uma atitude impensada e pagar uma quantia em dinheiro por algo que não está ocorrendo a marginais inescrupulosos que se aproveitam da boa fé das pessoas.

                        Por isto a importância de estar com as recomendações do livro VIOLÊNCIA URBANA: Como se proteger, sempre presente e assim evitar o ataque de marginais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário